Pular para o conteúdo principal

Yokokuhan - Prophecy | Resenha

:: Sobre a edição
Título: Yokokuhan - Prophecy
Autor: Tetsuya Tsutsui
Editora: JBC
Nº de volumes: 3
Nº de páginas: 200 (tanko)


:: Sobre os spoilers
Há muitos spoilers sobre toda a história, incluindo identidades e o final.

:: Resumo
Um novo viral surge na internet japonesa. Conhecido como “O homem jornal” ou "Newspaper-man", este personagem polêmico e que divide opiniões, decide anunciar crimes que irá cometer, dando detalhes do dia e hora. Muitos acreditam que se trata de uma brincadeira, mas ele fala a verdade, obrigando a polícia se mobilizar para prendê-lo o mais rápido possível, antes que cometa mais crimes ou que outras pessoas, se sentindo incentivadas, comecem a copiar seus métodos.

:: Sobre a obra
    Prophecy é um mangá que utiliza elementos atuais da internet, como sites agregadores de notícias, aplicativos de troca de mensagens e termos do mundo virtual, por exemplo, viral, flaming ou flame war. Com uma bela arte, o mangá possui um início bastante envolvente e continua assim como todo o seu desenvolvimento, mas dá uma “escorregada” no seu final.
A história se inicia com foco na divisão de crimes cibernéticos da polícia, eles estão resolvendo mais um caso de pirataria virtual, sob o comando da jovem e talentosa sub-delegada Erika Yoshino. Durante o término das investigações, eles recebem um comunicado de um tal de Newspaper-man, um cara mascarado que anuncia, em vídeos na internet, os crimes que pretende cometer. Achando que se trata de um simples viral sem importância, a equipe de Yoshino só dá atenção ao caso ao ouvir a notícia de que o newspaper-man concluiu o que prometeu. A partir de então, eles se mobilizam, tentando evitar que o mascarado cometa mais crimes. Diante dos anúncios do mascarado, percebemos que cada uma de suas atitudes são tomadas contra pessoas “culpadas” por algum crime, seja ele legal ou apenas moral. Neste ponto do mangá eu pensei que estava lendo um novo Death Note, a maneira como o autor apresenta a história prende sua atenção e nos faz pensar quem é o gênio atrás da máscara, apesar de moralmente saber que seus atos não são corretos.
Começamos então o volume 2, e nesta parte, as investigações parece não avançar. Assim como em Death Note nós temos o Yagami antecipando cada um dos passos da equipe de investigadores, o mascarado de Prophecy também está sempre um passo à frente da Yoshino. Ainda aqui nós temos uma revelação importante, descobrimos que o mascarado é um jovem, apelidado de Gates, e ele não faz nada sozinho, conta com a ajuda de três amigos que admiram sua inteligência. Junto com as identidades, a história passa por um flashback mostrando como o destino uniu este grupo, foi a morte de um amigo de trabalho, a insensibilidade do chefe e o grupo o assinando.
Chegamos então ao terceiro volume, e é aqui que a história começa a dar suas escorregadas. Por causa de um momento de fraqueza de um dos membros do grupo, a equipe da Yoshino finalmente consegue avançar nas investigações, chegando em um ponto que consegue identificar três membros, sendo um deles o Gates. Apesar dos avanços, Gates e seus amigos decidem seguir com o planos finais, que é atacar um político ligado a um projeto de controle da internet. Tudo ocorre como planejado, mas no final, eles decidem revelar as identidade para o público, acabando com os crimes, pois, segundo eles, falharam na tentativa de eliminar políticos lixos. Esta última transmissão será um suicídio coletivo, mas apenas o Gates realmente se suicida.
Fiquei meio perdido com o desfecho do newspaper-man, pois apenas uma das vítimas era político e a motivação dada também foi bem esquisita, mas eu sabia que teria outra explicação! Sabe o amigo citado acima que uniu o grupo? Pois é, eles cometeram os crimes para que a polícia pudesse resolver a história pendente do pai dele, isto é, descobrir sua identidade! Nada de querer mudar o mundo ou o Japão, nada de uma super revelação, era apenas localizar o pai, só com o “barulho” eles chamariam a atenção da polícia para buscar tais informações. Eu até entendo que a partir do momento do assassinato do chefe, lá no volume 2, eles já eram criminosos, mas se tivesse ficado quietos, juntos e com todo o conhecimento e inteligência do Gates, eles poderiam ter descoberto ou achado outros meios para resolver o mistério. Não tem sentido todo o barulho que fizeram, fora o final de novela que foi a Yoshino chorando a morte do Gates!
    Concluindo, fiquei com um questionamento nesta parte final do texto: “Recomendo ou não recomendo este mangá?”, diante do que foi discutido sobre o desfecho, devo ter passado a ideia de que não recomendo. Se você pensou desta forma, saiba que o raciocínio foi correto. Mas, apesar da motivação final ter me decepcionado, eu recomendo (?) a leitura devido a presenças de temas que nos fazem refletir, por exemplo: a regulamentação da internet para facilitar a identificação de usuários que propagam vídeos de violência; temos também o problemas com pessoas que se sentem impunes através da internet, quantas vezes a mídia mostra casos de comentários racista nas redes sociais? Além de nos fazer pensar sobre o dilema moral que é fazer "justiça com as próprias mãos". Acredito que a presença destes temas sejam razões suficientes para a leitura deste mangá, mesmo que não curtam a história.

:: Spin-off e Outra Mídias

    Saiu um spin-off, chamado Prophecy: The copycat. Não sei se já foi lançado em português, sendo assim, ainda não posso emitir uma opinião.
    E também, no Japão, saíram duas versões live action, sendo uma delas um filme e outra parece ser uma minissérie divididas em 5 episódios. Infelizmente, assim como o mangá spin-off, acredito que não tenham sido lançados no Brasil.

Boa leitura! E curtam nossa fan page!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Guia de leitura para John Constantine: Hellblazer | Cronologia

10 filmes com personagens protagonistas LGBT

Tropa Dercy - 62 - Irmãos à Obra

Capitã Marvel | Trailer, poster e imagens

Wayne de Gotham | Recomendação de Livro

Churchill e três americanos em Londres | Recomendação de Livro