Header Ads

80 ANOS DE LANTERNA VERDE: AS PRINCIPAIS HISTÓRIAS DE HAL JORDAN – PARTE 1.

Tropa dos Lanternas Verde

Conheça as histórias da que contam a Ascensão, Queda e Redenção de Hal Jordan.

Hal Jordan (Nova Terra) | Wiki DC Comics | FandomEsse é um especial em comemoração aos 80 anos do Lannterna Verde, mas também é a história de Hal Jordan, o maior Lanterna Verde da Terra, apesar dela não ser totalmente feliz. 
Antes do recente sucesso do personagem ele só era o cara engraçado que fazia uma luva de boxe gigante. Até parecia piada o título O MAIOR LANTERNA VERDE DA TERRA, afinal nos quadrinhos Hal Jordan é realmente considerado o maior. Mas para o mundo fora dessa mídia, ele mal é conhecido, talvez pela lembrança ruim com o péssimo filme estrelado por Ryan Reynolds (façam um favor e não assistam). O Lanterna Verde mais conhecido do público é John Stewart, personagem da animação Liga da Justiça do Bruce Timm. 
Jordan sequer é o primeiro lanterna. Na verdade, ele é o segundo. O primeiro é Lanterna Alan Scott criado em 1940 (imagem a direita) e membro fundador das Sociedade da Justiça. Apesar da chama verde, seu poder tem origem mágica. 
A nova interpretação do Lanterna Verde é ideia de Julius Schwartz, em 1960, quando era editor-chefe da DC na época, e funcionaria como pontapé para a Era de Prata. Ele queria algo mais moderno (para a época) e com mais ficção científica, e coube a John Broome e Gil Kane colocar isso em prática. Sai o engenheiro ferroviário, profissão de Alan Scott, e entre o piloto Hal Jordan, que enquanto testava um simulador, tem o aparelho arrancado e levado até o meio do deserto, onde estava uma nave extraterrestre danificada. Dentro da nave, seu piloto, Abin Sur, membro da Tropa dos Lanternas Verdes, agonizava. Antes de morrer Abin passou seu anel para Jordan, e o tornou o novo Lanterna Verde do setor 2814, a Terra.
Essa é a origem bem básica do personagem, lá da década de 1960. Mas não o foco do nosso tema. A ideia aqui é apresentar as histórias desse personagem, que teve uma vida bem conturbada, como veremos a seguir. Antes de mais nada agradecemos a todas as capas que o Guia dos Quadrinhos disponibiliza. 


A nova origem pós-Crise.
Não vamos falar das histórias da década de 60/70. São boas e clássicas mas presentam uma época diferente. O nosso ponto de partida é a década de 80. Logo após a Crise nas Infinitas Terras a DC convidou os maiores artistas da época para recriar as origens dos pesos pesados. Superman, Batman, Mulher-Maravilha. Os anos foram passando, outros personagens foram resgatados, Gavião Negro e Lanterna Verde estavam na fila. E essa missão caiu nas mãos de Keith Giffen e Gerard Jones. Pegando os elementos originais da década de 60, eles modernizaram Jordan, fazendo com que ele ganhasse na sequência um título próprio. 
 

Essas primeiras histórias da reformulação do personagem saíram em dois especiais aqui no Brasil: Amanhecer Esmeralda I e Amanhecer Esmeralda II, publicados nas revistas DC Especial #2 e 9. Já o título mensal começa em Superalmanaque DC #3, com continuidade das histórias nas Hqs dos Titãs e do Superman na época da Editora Abril. Essa fase do Hal Jordan como Lanterna Verde dura até a edição 50. Chegamos aos primeiros anos da década de 90, é quando grandes mudanças ocorrem.


1990 – A década da Image(m)
A Editora Image surge em meados de 1992, formada por ex-artistas da Marvel Comics. Com heróis musculosos, heroínas seminuas e uma qualidade de impressão jamais vista em um quadrinhos, eles começam vendendo milhões.
Pois bem, para não ficar para trás tanto DC e Marvel começaram a mexer nos medalhões. Na DC o Superman morre, Batman fica paralitico e é trocado por um psicopata e a Mulher-Maravilha é substituída por outra amazona. Na Marvel o Homem de ferro é trocado por um Tony Stark jovem e o Homem-Aranha por um clone.
Já para Hal Jordan seu destino é mais complicado: ele se torna o Vilão. Após ver sua cidade natal, Coast City destruída, Jordan perde a esperança. Usando o poder do anel para tentar trazer a cidade de volta à vida e falhando, descobre que seu poder não é o suficiente para isso. Confrontado pelos Guardiões ele os ataca e mata todos os membros da Tropa de Lanternas Verde, inclusive Sinestro, libertado pelos guardiões remanescentes. Por fim, ao derrotar todos, absorve a Bateria Central de OA. Hal Jordan deixa de existie, pois agora ele é Parallax. E para a função de Lanterna Verde um novo personagem surge: Kyle Rayner. A ele é dado o último anel energético pelo último guardião de OA, Ganthet. Essas histórias saíram em A Morte do Supeman – Volume 2 e Lanterna Verde – Crepúsculo Esmeralda/Novo Amanhecer.


Rayner não é um personagem ruim, teve boas histórias, mas sua publicação somente ganha relevância quando a Panini assume os títulos da DC no Brasil. Mas ele não é o foco do nosso guia.
Ainda na onda de mudanças a DC percebeu que, com o passar dos anos, as correções feitas pela maxissérie Crise nas Infinitas Terras,  não funcionou 100%. Para isso eles dão início a saga Zero Hora. Utilizando Parallax pela primeira vez como o grande vilão no qual ele tenta recriar o universo DC para possa trazer Coast City de volta. Descoberto pelos heróis e quase exaurindo seus poderes, ele é derrotado ao ser atingido por uma flecha no coração, disparada pelo seu grande amigo da época de Lanterna Verde, Oliver Queen, o Arqueiro Verde. Enfraquecido, Parallax some junto com Rayner (Minissérie Zero Hora e Superboy #0). Por fim, o último confronto dos dois ocorre em Superboy #9 da Editora Abril. O conflito termina com Parallax absorvendo a energia de Ganthet e desaparecendo. Rayner é reconhecido pela Liga da Justiça como o último Lanterna Verde e no epílogo, Parallax aparece perdido em seus pensamentos em um planeta alienígena, sonhando com uma Coast City salva pelo Lanterna Verde. Estamos chegando aos momentos finais de Hal Jordan.


Desaparecido por um ano, Parallax retorna na saga A Noite Final, no momento mais decisivo. A saga serve para redimir o personagem de todos os erros que vinha cometendo desde Crepúsculo Esmeralda, quando assassinou toda a Tropa de Lanternas Verdes. Aqui ele liberta Ganthet e se sacrifica para destruir o Devorador de Sóis, entidade alienígena que destrói o sol das galáxias, e reiniciar o nosso. Hal Jordan finalmente está morto (Melhores do Mundo #2 a 8).


Fechamos esse ciclo com a nova encarnação de Jordan quando esse assume o manto do Espectro o arco Dia de Julgamento escrita por Geoff Johns (guardem esse nome). Depois que Jim Corrigan não pode ser mais o Espectro, o Espírito da Vingança, é forçado a se unir ao anjo caído Asmodel, cabendo a um grupo de heróis líderados pela Mulher Maravilha e Alan Scott, o Lanterna Verde original, agora assumindo o nome de Sentinela, em uma jornada ao além vida para encontrar o novo hospedeiro do Espectro. 
É nesse momento que surge Hal Jordan, que segundo Alan Scott seria a única pessoa com força de vontade para conter o poder do Espírito da Vingança. Hal luta pelo controle do Espectro contra Asmodel e Neron, no Plano Astral. Quando o Espírito da Vingança pergunta a Jordan por que ele se acha digno de agir como hospedeiro, ele se considera indigno, merecendo apenas punição. O Espírito da Vingança faz a sua escolha unindo-se ao antigo Lanterna Verde como penitência por seus pecados. Essa história foi publicada em Superman Premium #10 a 14. Hal Jordan é o novo Espectro no Universo DC e ele manteve este papel até 2004. 


Com isso chegamos ao final da parte 1. Na parte 2, participações especiais e a nova fase do Lanterna Verde.

Nenhum comentário:

Comentários

Tecnologia do Blogger.