Pular para o conteúdo principal

Maus: a história de um sobrevivente | Recomedação de Quadrinho

Querendo ler uma história em quadrinhos que não seja Marvel ou DC?

Saiba que você chegou ao lugar certo, pois hoje vamos falar de um quadrinho biográfico que trata de um tema bastante delicado, o Holocausto, período de terror que muitas vezes custamos a acreditar que possa ter ocorrido há tão pouco tempo e que custou a vida de inúmeros civis.

:: Sobre a edição

Título: Maus: a história de um sobrevivente
Editora: Quadrinhos na cia.
Nº de páginas: 296
Tipo de capa: Cartonada


:: Sobre spoilers

Antes de falar sobre “Maus”, quero deixar avisado que talvez surjam alguns pequenos spoilers, porém, acredito que em nada prejudicará na hora de apreciar a obra de Spielgelman.

:: Sobre a obra

“Maus”  foi produzido pelo artista sueco Art Spiegelman, baseado na experiência de vida do seu pai, Vladek Spiegelman, um sobrevivente dos campos de contração de Auschwitz. Vladek foi um polonês judeu que antes do início da guerra trabalhava em uma fábrica montada com ajuda de seu sogro, um rico empresário antes da guerra.

A história é focada desde Vladek, ainda um jovem adulto e solteiro, passando por seu casamento com a mãe de Art, Anja Spiegelman, e terminando o fim da guerra, em que mesmo contra todas as probabilidades, conseguiu sobreviver e de certo modo, reconstruiu sua vida. Não apenas o passado de Vladek é representado, muitas vezes Art nos mostra como foi o processo de coleta das histórias através de conversas registradas com um gravador, pois ficou inviável apenas escrever e também ficamos sabendo do destinos de personagens ao redor de Vladek.

“Sem dúvida, os judeus são uma raça, mas não são humanos.” - Adolph Hitler

É baseado na frase acima, presente na obra, que Art caracteriza de forma única seu trabalho. Em “Maus”, cada grupo social é representado por um animal, os judeus são os ratos, os alemães os gatos, poloneses são os porcos e os americanos são os cães. Uma interessante forma de representação visto que “Maus”, em alemão, significa ratos, que são caçados pelos gatos e, no final, foram caçados pelos cães. Já os porcos, para os judeus, são a representação de um animal imundo. Lembrando que Art não tenta fazer disso uma generalização dos povos é apenas uma representação de um período da história vivido por um sobrevivente de guerra.

Entre os diversos relatos de Vladek, notamos como os períodos no campos de concentração moldaram o seu caráter. Quando esteve aprisionado, um pedaço de papel para escrever, um pé de um par de sapatos, uma colher ou um pedaço de corda para amarrar uma calça eram considerados itens raros, comida era um artigo de luxo, ainda mais para quem vivia a base de sopa, pão velho e duro ou até mesmo de mastigar madeira. Todas as situações vividas durante este período, transformaram Vladek em uma pessoa que não desperdiça nem um grão de comida e “coleciona” itens para uso futuro como fio de telefone quebrado, coisas que, para nós, seriam considerados lixo.


Eu poderia falar muito mais sobre “Maus”, mas acredito que estragaria a surpresa e a experiência de leitura. Esta é uma daquelas obras que te fará pensar e refletir. Sempre gostei bastante da temática de guerra (não da guerra) e foi uma das razões que me  fizeram buscar este quadrinho. Se alguma vez não ficou claro como foi a vida (se é que podemos chamar assim)  em campos de concentração, os relatos de Vladek, representados pelo talento de Art, farão você sentir como foi terrível o período nazista e entender a razão de ainda hoje sempre serem feitas homenagens às vítimas desse massacre. 

Espero ter incentivado a leitura deste quadrinho sensacional e aguardem nossas futuras indicações! Tem muita coisa boa para falarmos! Boa leitura e acompanhem nossa fan page!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Guia de leitura para John Constantine: Hellblazer | Cronologia

10 filmes com personagens protagonistas LGBT

Tropa Dercy - 62 - Irmãos à Obra

Capitã Marvel | Trailer, poster e imagens

Wayne de Gotham | Recomendação de Livro

Churchill e três americanos em Londres | Recomendação de Livro